terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Alguém que vive e não tem vergonha de ser feliz!

Fiquei esses diazinhos sem postar porque o final de semana foi de "agenda cheia". Pois é não seria diferente, afinal fechei a semana dos "parabéns" com alguém que é mais do que especial, é essencial!

Sabe aquela pergunta que nos fazem em momentos diferentes da vida? "O que você vai ser quando crescer?". Porém quando começamos a amadurecer e interrogamos nos mesmos é diferente. E não tô falando de profissão, mas sim da vida!

Quando começei a criar vergonha na cara, a "sair do ovo"... Quando começei a deixar as bonecas de lado e pegar mais os livros, digamos que eu já tinha mais ou menos idéia da resposta. Só que hoje eu tenho certeza da minha resposta. Justamente porque tenho o exemplo dentro de casa.

Quando eu crescer quero ser igual a minha dinda! Para os amigos a Cléo. Para os colegas a Dra. Cleomir Carrão! Como disse tô falando sobre a vida, sobre literalmente "SER HUMANO". Afinal nunca me imaginei fazendo direito, muito menos sendo defensora pública.

Apenas quero cresçer e ser uma mulher de fibra, indepentende, inteligente, respeitada na profissão, querida pelos amigos, amada pela família. Também quero chegar aos sessenta e poucos anos e ter muita disposição de viver, de dançar, de sair, de cantar, de torcer enlouquecidamente pelo time, de rir, brigar, chorar, amar e trabalhar!!! Ah...também quero brigar na fila dos idosos por não aparentar ter os sessenta e poucos e pensarem que estou mentindo!

Claro que ninguém é perfeito, erramos, temos virtudes, qualidades, defeitos. Bom, tirando o mau humor de família e o fato dela ser colorada (doente! Quem conhece sabe!) seu principal defeito na verdade não é "defeito". É uma qualidade em excesso. Ela ama demais, ama tanto que erra. Protege muito, defende. Tem um coração mole e giganteee! Não dá somente a mão, da o corpo inteiro.

Eu ainda "tô crescendo" pra ver se um dia chego lá. E isso também devo a ela, pois as oportunidades que me dá, o investimento que faz em mim e até as brigas são consequência desta segunda mãe que a vida me deu!


Uma pessoa que vive sem ter a vergonha de ser feliz!




Dinda:
Mais do que te amar eu te admiro!
Só tenho que te agradecer por T U D O !
Saúde, sucesso e muitas, mas muitas mesmo, FELICIDADES!
A música dela:



P.S: Mãe, não fica com ciúmes, eu te conheço e sei que ficará, mas lembre-se que a dinda também é tua segunda mãe! Ah, também escrevi no teu niver, pode procurar no blog!

Um comentário:

Mari disse...

Palavras - muitas tem duplos sentidos como a inveja, ciúme, vontade de ser igual, enfim Naty em alguns momentos tenho "INVEJA" por não conseguir expressar sentimentos em palavras como estes feitos por ti, "CIÚME" por não estar convivendo com a pessoa citada, "VONTADE DE SER IGUAL" que com tão pouca idade já carrega uma "MALA" cheia de experiências, provações e "Vitória"s.
beijão!
Mari