sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Sonho...


Esta noite sonhei com meu pai. Desde que ele se foi não tenho sonhado muito com ele, acho que só umas três vezes. Engraçado que uma das coisas que ele me disse no sonho foi que eu tinha que subir com a minha mãe o morro do corcovado, pois tínhamos que ir no Cristo Redentor.

Dos poucos sonhos que tive com meu pai cada um carregava um significado e uma mensagem. E o significado deste sonho eu acho que já entendi!


quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Por onde for quero ser seu par...

Meu namorado nem curte samba. Quem o conhece sabe que a figura não é tão enlouquecida por samba como eu, mas acho que um dos fatores que nos une são realmente as nossas diferenças, sabemos respeitar os gostos de cada um, e aquele velho ditado é fato: "os opostos se atraem".

Mesmo sabendo que essa não é a praia dele venho por meio desta canção agradecer tudo o que ele tem feito por mim. Aliás, esse agradecimento é pouco. De tantas coisas que vem dando errado em minha vida o lado bom é que descobri que além de um namorado tenho ao meu lado um ótimo amigo. Já disse mil vezes que não sei como ele me aguenta, pois na verdade ele ganhou um pacote de problemas e de brinde veio uma namorada.

Mais uma vez: OBRIGADA!


quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Coisinhas


mar, porre, cerveja, sol, festa, sal grosso, axé, samba, rock, samba rock....

[vou acrescentando a lista a cada coisa que lembrar]


sábado, 4 de dezembro de 2010

Apenas um desabafo

Caros e raros leitores, (pois como diria um dos meus grupos preferidos "O Teatro Mágico": "só para raros)...

Tomei uma atitude considerada drástica. Pelo menos eu considero drástica. Quem me seguia no twitter sabe muito bem que eu era da seguinte filosofia "penso, logo twitto". E era mesmo! Lá não tinha travas na língua, ou melhor nos dedos. E acredito ser esse um dos poderes daquela ferramenta de comunicação.

Bueno, o fato é que sai do twitter. Sim, meus caros, sai, do verbo SAIR! Logo eu, uma formanda em jornalismo, futura comunicadora, viciada em redes sociais. Inclusive havia investido num aparelho celular melhor para me manter sempre conectada. Mas aqui, no meu blog, no meu cantinho, no meu "aquário" vou soltar o verbo. E FODA-SE aquilo que as pessoas pensam, inclusive as que me AMAM. (Quem ama compreende, ok?)

Não vou dar "nomes aos bois", mas o negócio é o seguinte. Algumas pessoas achavam que eu "falava" demais no twitter. Diziam que eu ficava me expondo de mais. Outros tinham a opinião de que eu falava muito besteira, outros diziam que eu tuitava de mais. Enfim...por aí vai.

Tá, até aí tudo bem. Eu sou assim mesmo, uma psciana EXAGERADA! E não é a primeira vez que tomei esse tipo de atitude drástica. Já tinha saído do orkut, abri mão de contatos que só tinha lá, como os meus amigos do Rio de Janeiro, ex-colegas de Rosário, parentes de Passo Fundo. Mas depois que eu sai ganhei uma paz de espírito enorme. Infelizmente essas coisas de redes sociais estavam afetando a minha vida virtual e REAL.

Há quem seja contrário as minhas atitudes. Acha que estou me escondendo, fugindo, etc. Não estou, porque se tem uma coisa que eu não abro mão é do meu blog. Rá! Muito antes de virar modinha essa coisa de blog eu já circulava por aqui. E este espaço me serve como válvula de escape. E aqui eu falo O QUE EU QUISER, DO JEITO QUE EU QUISER, COMO EU QUISER.

Meu pai já morreu (infelizmente), e minha mãe já passou do tempo de mandar em mim. Estou falando isso para frisar que as únicas pessoas que tem o direito de mandar em mim já não fazem mais isso.

Voltando ao assunto quero afirmar que daqui não saio, e aqui não vou ficar medindo o que eu falo ou deixei de falar. A vida é minha! E a minha saída do twitter tem vários motivos, mas o principal deles: resolvi "cortar o mal pela raiz".

E talvez com a minha saída do orkut e twitter algumas pessoas comecem a futricar o meu blog (já que terão menos lugares para fuxicar e SE METER NA VIDA DOS OUTROS né). (Vão tudo de ferrar bando de gente o que não tem o que fazer!!!!)

Primeiro agradeço a leitura, OBRIGADA PELA AUDIÊNCIA, afinal os futriqueiros e futriqueiras também são leitores do blog (HA HA HA), e aproveito para perguntar se certas pessoas não tem umas panelas para lavar em casa, ou até mesmo umas unhas pra fazer, hein? Ah, fala sério, sempre tem uma calcinha suja pra lavar também. Quem sabe não é melhor deixar tudo limpinho antes de ficar dando PITACO NA VIDA DOS OUTROS?

Queridos, poucos mas valorizados por mim, leitores do meu blog: Vocês que me acompanham de longa data, vocês me conhecem um pouco melhor, peço desculpa pelo desabafo, e justamente pelo fato de vocês me conhecerem sabem que de alguma maneira eu iria colocar a minha boca no trombone.

Agradeço o carinho dos que me querem bem e gostam dos meus posts. Ao resto, bom, resto é resto já diz o próprio nome!

Não tenho tido tempo de escrever muito, porque sabe, EU TENHO O QUE FAZER DA VIDA. Tenho um trabalho, uma faculdade, uma mãe pra cuidar, pessoas para dar atenção e carinho, sonhos para serem realizados, tudo isso vem antes de ficar me metendo na vida dos outros.

Porém, assim que der nos "vemos" por aqui! Fiquem em PAZ!

P.S: Ah...e para os meus 399 (ex) seguidores do twitter, reitero o convite: meu blog está de "portas abertas" para vocês!


POR FIM, FICO COM CAIO F.:


Natália pediu uma pílula a Caio Fernando Abreu
...
Porque seria preciso também abdicar de mim mesmo para novamente reconstruir-me.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

SAMBA, SAMBA, SAMBA!

Dia Nacional do Samba e eu não poderia ficar sem postar. Primeiro porque meu blog tem o título de um trecho de um dos meus sambas preferidos: "Sonho Meu", da grande Dona Ivone Lara. Segundo porque nasci em fevereiro, mês do carnaval, mês da festa do samba. E terceiro porque cresci no meio de rodas de samba.

Hoje agradeço a minha família que me criou no meio do samba de roda. Graças a eles tenho esse bom gosto musical. Sim, é bom gosto, e tenho dito! Quem não gosta de samba bom sujeito não é! É por causa deles que sou louca por carnaval. Ninguém mandou me levar dos nove meses aos oito anos para o Rio de Janeiro. Impossível a filha não sair "bamba". (Obrigada família!!!)

Para marcar este dia fico com a lembrança do ronco da cuíca que meu pai fazia com a boca, quem se lembra? Ah que saudade! Era a diversão das crianças da família e apenas o começo da festança, em seguida meus tios já estavam com pandeiro, panelas, etc... tudo que pudesse complementar aquela roda de samba.

Viva o Brasil, viva o samba brasileiro!





quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Mordendo a língua com os bons amigos

Agora chegou a hora de morder a língua com as amizades. Rá! E essa mordida foi violenta, quase fiquei sem língua. Por isso essa mordida ainda vai aparecer muito por aqui. Essa é uma daquelas mordidas que deixa uma dor mais forte que o amor...

Começo a mordida das amizades ao som de Barão Vermelho!


Mordendo a língua com Drummond

Dizem que este texto é de Carlos Drummond de Andrade. Não sei se ele realmente é o verdadeiro autor. Só sei que ele é mais uma das coisas que fizeram com que eu mordesse minha própria língua.

Pois é, hoje começo aqui uma série de desabafos. Diretos ou indiretos, tanto faz. O fato é que eles vão ser como EU quiser, porque este espaço é meu! O ano tá acabando, e se eu pensei que 2009 tinha me ensinamo muito também mordi a língua, pois 2010 me ensinou muito mais! E me ensinou em todos os aspectos da vida: amor, amizades, família, dinheiro, ensino, profissão, etc.

Então começo mordendo minha língua com Drummond!


Ter ou não ter namorado


Quem não tem namorado é alguém que tirou férias remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia. Paquera, gabira, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas namorado mesmo é muito difícil. Namorado não precisa ser o mais bonito, mas ser aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio, e quase desmaia pedindo proteção.
A proteção dele não precisa ser parruda ou bandoleira:
basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição.
Quem não tem namorado não é quem não tem amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes,
dois paqueras, um envolvimento, dois amantes e um esposo; mesmo assim pode não ter nenhum namorado. Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema, sessão das duas,
medo do pai, sanduíche da padaria ou drible no trabalho.
Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar lagartixa e quem ama sem alegria.

Não tem namorado quem faz pactos de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade,
ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de curar.

Não tem namorado quem não sabe dar o valor de mãos dadas,
de carinho escondido na hora que passa o filme, da flor catada no muro e entregue de repente, de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque, lida bem devagar, de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada, de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia,
ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo, tapete mágico
ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir, fazer sesta abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não
gosta de falar do próprio amor nem de ficar horas
e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele;
abobalhados de alegria pela lucidez do amor.

Não tem namorado quem não redescobre a criança
e a do amado e vai com ela a parques, fliperamas,
beira d’água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical da Metro.

Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não se chateia com o fato de seu bem ser paquerado. Não tem namorado quem ama sem gostar; quem gosta sem curtir; quem curte sem aprofundar. Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada ou meio-dia do dia de sol em plena praia cheia de rivais.

Não tem namorado quem ama sem se dedicar, quem namora sem brincar, quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele. Não tem namorado que confunde solidão com ficar sozinho e em paz.
Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo
e quem tem medo de ser afetivo.

Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando 200Kg de grilos e de medos. Ponha a saia mais leve, aquela de chita, e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesma e descubra o próprio jardim. Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela. Ponha intenção de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada.
Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteio.

Se você não tem namorado é porque não enlouqueceu aquele pouquinho necessário para fazer a vida parar e,
de repente, parecer que faz sentido.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

POEMA DA SAUDADE

Em alguma outra vida, devemos ter feito algo muito grave, para sentirmos tanta saudade...
Trancar o dedo numa porta doí.
Bater o queixo no chão doí.
Doí morder a língua, cólica doí, doí torcer o tornozelo.
Doí bater a cabeça na quina da mesa, carie doí, pedras nos rins também doí.
Mas o que mais doí é a saudade.
Saudade de um irmão que mora longe.
Saudade de uma brincadeira de infância.
Saudade do gosto de uma fruta que não se encontra mais.
Saudade do amigo imaginário que nunca existiu.
Saudade de uma cidade.
Saudade de nós mesmo,o tempo não perdoá.
Mas a saudade mais dolorida é a saudade de quem se ama.
Saudade da pele, do cheiro, dos beijos.
Saudade da presença, e até da ausência consentida.
Você podia ficar na sala e ele no quarto, sem se verem, mas sabiam-se lá.
Você podia ir para o dentista e ele para a trabalho, mas sabiam-se onde.
Você podia ficar sem vê-lo, e ele sem vê-la, mas sabiam-se amanhã.
Contudo, quando o amor de um acaba, ou torna-se menor no outro
Sobra uma saudade que ninguém sabe como deter.
Saudade é basicamente não saber.
Não saber se ele continua fungando num ambiente mais frio.
Não saber se ele continua sem fazer a barba por causa daquela alergia.
Se aprendeu a entrar na internet,se aprendeu a ter calma no trânsito.
Se continua preferindo cerveja a uísque(e qual a cerveja)
Se continua sorrindo com aqueles olhos apertados,e que sorriso lindo.
Será que ele continua cantando aquelas mesmas musicas tão bem(ao menos eu admirava)?
Será que ele continua fumando e se continua adorando Mac Donald's?
Será que ele continua não amando os livros, e ela cada vez mais?
E continua não gostando de dar longas caminhadas,e ela não assistindo televisão?
Será que ele continua gostando de filmes de ação,e ela de chorar em comédias.
Será que ela continua lendo os livros que já leu?
Será que ele continua tossindo cada vez que fuma?
Saber é não saber mesmo!!!
Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais longos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento.
Não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.
Saudade é não querer saber se ele está com outra,e ao mesmo tempo querer.
É não saber se ele está feliz,e ao mesmo tempo perguntar a todos os amigos por isso...
É não querer saber se ele está mais magro, se ele está mais belo.
Saudade é nunca mais saber de quem se ama e ainda assim doer.
Saudade é isso que senti (e sinto) enquanto estive escrevendo e o que você (deveria)
provavelmente estar sentido agora depois que acabou de ler.”
Quem inventou a distância nunca sofreu a dor de uma saudade!!!

Martha Medeiros

"Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo. É o arremate de uma história que terminou, externamente, sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro da gente."

Martha Medeiros

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Da felicidade...

Quem me conhece e faz parte da minha vida sabe que nos últimos dias a coisa não tem sido fácil. Na verdade não só nos últimos dias, mas este ano em si não está sendo NADA fácil. Porém parece que de umas semanas pra cá a coisa virou de cabeça pra baixo....

Mas nada de chorumelas, segue-se o baile, dançarei conforme a música, feliz daqueles que tem força para suportar os problemas da vida, infelizes aqueles que não tem coragem. Sabe aquela velha máxima do "não tenho tudo o que amo, mas amo tudo o que tenho"? É bem por aí... Fico com Clarice Liscpector, pois chorar e se machucar também faz parte da felicidade!


Natália tomou uma dose de Clarice Lispector
...
´As pessoas mais felizes não
têm as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor das
oportunidades que aparecem
em seus caminhos.
A felicidade aparece para
aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam.
Para aqueles que buscam
e tentam sempre.´

OBS: Dedico este post a querida amiga Liege Freitas (ela sabe o "porquê") e a minha mãe!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Ainda sei me virar...

Todo dia 18 é assim, bate aquele aperto no coração e penso: "Por que teve que ser assim?", "Será que eu fiz tudo o que estava ao meu alcance?", "Será que fui uma boa filha?".

São respostas que eu nunca terei. Assim como nunca terei como matar minhas saudades. Cabe a mim tomar doses homeopáticas de um remédio chamado tempo.

E como bem diz a música que não tem saído de minha cabeça nos últimos dias "e são tantas marcas que já fazem parte do que eu sou agora mas ainda sei me virar".

É pai, lá se foram 8 meses que tu se foi, mas acho que "ainda sei me virar"....


domingo, 10 de outubro de 2010

Da vida...



Este semestre não tem sido fácil. Tudo bem, eu já previa isso. Sempre tento pensar que tudo é aprendizado, inclusive meus erros. A autocrítica é algo bem difícil de ser feito. Olhar pra nós mesmos é um grande desafio.

O meu desafio vai além, tenho muita dificuldade em tomar decisões. Sinto necessidade de compartilhar as "coisas da vida" com meus amigos e família. Não que eu seja influenciável, mas a opinião deles conta muito pra mim. Eu sei quem me quer bem, por isso sei que o que essas pessoas me falam é verdadeiro, é sincero.

Confesso que sobre os assuntos relacionados a trabalho e estudo sempre tive dois grandes conselheiros. Já sobre os assuntos mais emotivos, digamos que "menos racionais", tenho conselheiros diferentes.

Nos últimos meses resolvi me desafiar. Um destes conselheiros já afirmou outra coisa, disse que eu quis "abraçar o mundo sozinha". O fato é que não consegui, ou melhor, não consigo e não posso. Pois se tem uma coisa que aprendi com minhas últimas experiências de vida é que temos que ter prioridades. E mais, estas prioridades devem ser as sementes que vamos plantar para colher bons frutos no futuro.

Em meio a um turbilhão de coisas tive que fazer a coisa mais difícil do mundo pra mim: tomar uma decisão. E para isso fiz o que uma querida professora sempre fala para meus colegas: "ouve tua voz interior". Esta foi a alternativa. Ouvi minha voz interior, conversei com meus conselheiros e senti muita falta de um em específico.

A decisão foi tomada e agora só o tempo poderá dizer se ela foi correta. O importante é que não desviei das minhas prioridades. Sigo na luta, que não é nada fácil, para alcançar meus objetivos. E como eu bem disse a uma amiga minha estes dias: cada um sabe o peso da cruz que carrega e sabe o caminho que deve ser feito.

Para ouvir: Tim Maia - Azul da cor do mar

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

My check list

Quando eu voltar a "viver" (tá, eu estou vivendo, mas uma vida "linear", faculdade, trabalho e casa, sem tempo para outras coisas) eu vou...

1) Matar as saudades do Rio de Janeiro: quero praia, quero samba, quero rever os amigos cariocas, quero tudo o que tem de bom lá

2) Emagrecer: Comer direito (pois às vezes não tá dando nem tempo de comer, e quando dá como só merda porque é o mais rapido, e isto influência horrores na perda de peso), malhar, voltar pro ortomolecular

3) Dormir: domir bem, relaxar, colocar a cabeça no travesseiro sem nenhum peso nas costas é outra coisa

4) Curtir casa, família, rever amigos...

5) Fazer coisas "mulherzinha": novas make ups, roupas, corte de cabelo novo, unhas, etc (sim, pq vaidade faz bem pro ego)

P.S: Caro leitor, talvez você não tenha nada haver com isso, mas são coisas que preciso registrar "publicamente" pois são dívidas que tenho comigo mesma!

domingo, 12 de setembro de 2010

Vamos à luta!

Queridos seguidores e leitores do meu blog, o bixo tá pegando! A água já "bateu na bunda" e tô sem tempo de passar por aqui. Para os que tem interesse em me "acompanhar" deixo o convite para me seguirem no twitter @nataliavitoria ou www.twitter.com/nataliavitoria. Se bem que até por lá tenho tuitado bem menos, mas é mais fácil e rápido atualizar as coisas por lá...

Saudades do blog, mas a vida é feita de escolhas, e eu só tô correndo atrás do tempo "perdido"... Mas como tudo na vida é aprendizado eu posso afirmar que aprendi pelos erros que cometi no passado, pelas prioridades que escolhi de maneira equivocada e agora não adianta reclamar.... Quando der passo por aqui e espero sempre ter boas notícias pra vocês!

Vamos à luta!

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Vai Clarear!!!

Pelo novo semestre que se inicia e que vai exigir de mim muita paciência, equilíbrio, clareza, criatividade e FORÇA! RUMO A VITÓRIA!

Santa Clara, clareou
E aqui quando chegar vai clarear
Os meus caminhos
Os meus caminhos
Salve Santa Clara
Salve Santa Clara


domingo, 8 de agosto de 2010

...

Coloquei a palavra "saudade" no google imagens. Nenhuma me agradou. É difícil achar uma imagem, uma palavra, uma frase, uma qualquer coisa que traduza o vazio deste domingo.

Embora eu esteja trabalhando, ano passado também estava, é estranho passar meu primeiro dia dos pais sem ter o meu presente. Hoje se eu pudesse chegar para cada filho e dizer: "aproveita este dia" eu faria.

Mas fico por aqui com a certeza de que a saudade é a grande presença eterna de meu pai na minha vida. Um homem honesto, trabalhador, sonhador, colorado, mas principalmente um PAI. No sentido mais lato da palavra. Não escrevo isso com tristeza e sim com muita alegria, pois eu tive um pai. Um pai presente em todos os momentos da minha vida. Inclusive hoje. Pois tenho a certeza de que ele esta aqui!!!

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Compartilhando

Mesmo sabendo que parte de meus leitores são pessoas da minha família eu não vou ficar me privando de escrever o que penso e quero. Então vamos a pauta deste post: relacionamentos. Mas fiquem tranqüilos. Eu não vou fazer algo estilo revista NOVA (apesar de eu amar essa revista): "10 maneiras de surpreender o gato na cama", ou se quer algo tipo "terapia". De qualquer forma afirmo que a revista tem várias dicas boas, reforço que é importante fazer terapia, mas na falta de tempo ($) um bom ombro amigo ajuda muitíssimo.

Vou compartilhar com vocês algumas histórias bem pessoais e explicitar minhas opiniões. Quem me conhece de verdade já deve conhecer o que irei relatar aqui, porém resolvi fazer isso porque vai que alguém se identifica? Vai que alguém quer se "confortar" com meus "dramas". Enfim, sempre tem uma Natália ou uma Vitória por aí!

Vamos ao que interessa. Primeiramente por motivos particulares não vou falar da vida do meu primeiro namorado. Só tenho a dizer que hoje a mãe dele é uma das melhores amigas de minha família. É praticamente minha segunda mãe. Prova máxima foi ela ter cuidado de mim no hospital quando fiquei semanas internada por causa da trombose, além da super força que nos deu quando perdi meu pai. Cabe ressaltar que mesmo quando ela era minha sogra sempre foi maravilhosa, atenciosa e querida!

Sobre meu segundo namorado eu prefiro nem comentar. Eu já fiz um breve relato estes tempos no post da mulher perdigueira. Diferente dos outros com este eu não conheci minha sogra, não conheci meu sogro, nem se quer minha cunhada. Por acaso conheci meu cunhado pois ele veio a Porto Alegre tomar uma cerveja na Cidade Baixa.

Casa? Sinceramente até hoje não sei onde o falecido mora. Ficamos aproximadamente um ano e meio juntos, neste tempo ele teve uma vida cigana. Sim, CIGANA. Usava como desculpa a militância. Mas era DESCULPA MESMO. Pois eu também militei e conheci muitos militantes que tinham berço. Digo berço no sentido casa, família, um lar, relações familiares, saca? Mas o bonito não! Ele morou com uma família de um amigo, depois dividiu apartamento com outro amigo, depois sei lá e também nem quero saber. Conclusão? O velho ditado: "Pedra que não cria limo vive rolando". Ok. Ok. Acabei de me contradizer, falei de mais dele, encerro por aqui dizendo o seguinte: Comi o pão que o diabo amassou mas APRENDI.

Chegamos ao terceiro (calma gente, eu só tive três tá, não sou a Samantha de Sexy and The City....hahahaha...). Bueno, com esse aí eu TENTEI pegar os erros do anterior e não fazer igual. Não ficava de marcação cerrada. Dei toda liberdade do mundo! Não deixei de me valorizar e me cuidar. Se antes eu era meio bicho-grilo com ele eu iniciei a fase peruesca. Acha fútil? Tudo em exagero é fútil sim, mas tô falando de AMOR PRÓPRIO, de se cuidar, se gostar! E isso foi a PRINCIPAL LIÇÃO que meu segundo namorado me deixou! Gordinha escrota nunca mais!!! (haahahahha).

Porém foi tudo muito rápido com o terceiro. Depois de um mês ficando direto o cara já me pediu em namoro. Eu cai naquela ladaia braba do "eu quero ficar sério contigo, não sou cara de ficar com mais de uma" (faz-me rir benhê!). Lembro que eu nem tinha ficado com ele ainda mas a família inteira já sabia meu nome, sabia quem eu era, o que eu fazia e etc. Pra minha sorte a minha sogra e meus cunhados (a família dele é IMENSAAAA) são uns amores, adoro todos, tenho contato com alguns até hoje. Maaaas, lembra daquela ladaia braba do "não sou de ficar com mais de uma"? Pois é querida leitora. Se com o segundo namorado eu fazia barraco do tipo pegar ele nos bares ficando com outra e sair no tapa com terceiro eu aprendi a ser elegante!

Seria cômico (se não fosse trágico), mas o traste aparece na minha casa no dia dos namorados depois das DEZ DA NOITE com uma sacola de uma loja de sapato e um tênis dentro. A resenha? "Minha tia me deu de presente". Tá né. Tua tia te deu de presente um tênis, numa sexta-feira, dia dos namoradoS? (Detalhe básicooo, a tia dele morava na puta que pariu e a loja não tinha naquele bairro). Como já havia um histórico de suspeitas e provas que eu havia guardado tudo veio à tona no dia 12 de junho mesmo.

Resumo: O fofo tinha outra namorada. Sim amigaaa! Eu era corna! (e não tenho vergonha de falar). A outra sabia que eu era a "oficial" e aceitava a condição de ser "a outra". Dai claro né, o nego véio nem precisava trabalhar mesmo, "a outra" dava tudo pra ele (o duplo sentido é mero acaso). E eu sempre fui de presentear esses cafajestes, então já viu, o espertinho tava bem servido! Mas acabei tudo com ele no dia dos namorados mesmo (detalhe: com 6 pontos na boca, pois havia extraído 2 dentes cisos alguns dias antes). Hoje ele vive feliz ao lado da baranguete (mistura de baranga com periguete). Ah, sim, a baranguete era "a outra" que eu citei (se é que ele não tem "outra" com ela). E assim ó, eu posso chamar ela de baranguete, eu não sou bonita, mas eu me cuido. Genteeem, ele conseguiu arrumar uma mulher com os braços maiores que o meu! E o estilinho Hipofábricas TERRÍVEL. Eu falo mesmo! Pois eu compro e me visto com Hipofábricas, Marisa, Renner e C&A mas não ando que é um capeta. #aiquemaldade hahaha...

Então, daí veja bem, agora vou falar de um cara que não foi meu namorado, não tive nada sério com ele, apenas uma pegada, um ficante. Este ser surgiu na minha vida só para eu não perder a tradição de ter os dias dos namorados amaldiçoados.

O cara não é gaúcho, conheci numa das minhas viagens por aí (ele não é carioca viu, os meus cariocas AINDA não me decepcionaram!). Fiquei um pouco empolgada porque ele é "mais velho" (não muito, regula de idade comigo), ESTUDA (sim, um milagre, eu não consigo arrumar homem que estude, só arrumo ENCOSTO literalmente), e pra finalizar é meu vizinho. Tá, eu sei, eu acabei de entregar quem ele é. Se alguém conhecido, ou até ele mesmo, ler isso vai se tocar, mas PHODA-SE.

É phoda-se MESMO porque ele não tava nem aí quando ficou com outra na minha frente e depois quis conversar assim NA MAIOR CARA DE PAU, e como disse antes, mais uma vez isso aconteceu NO DIA DOS NAMORADOS. Só pra vocês entenderem: ele tava ficando comigo a noite inteira, numa festa fechada, e foi lá e pegou outra, mas assim, não foi escondido, foi na minha frente, assim, a menos de 2 passos de mim, quando a gente estava indo embora da festa pra ir para outra festa.

Tá povo! Sei que parece que tô aqui reclamando da vida, falando que homem não presta, que são tudo cafajesteeee. Não vou finalizar meu post indo por esse caminho. Como eu bem digo: Cada mulher sabe o Santo Antônio que tem! (inventei esse ditado agora....hahahaha). Eu conheço muitas que estão bem felizes sozinhas, bem felizes namorando, bem felizes casadas. Também não quero dar lição de moral.

Fico por aqui com a minha opinião (ou seria ilusão?): Pra mim namorar é bom, ficar é bom, quebrar a cara faz parte. Tenho meus medos assim como todas. Valorizo a minha família, por isso comentei das famílias dos meus ex-namorados aqui. Gosto de conhecer sogro, sogra, tio, tia, cachorro, etc (namorar é conhecer a família também). E ainda tenho o doce sonho de me casar assim como meus pais: até a morte me separe!

O motivo deste post? É simples! Apenas resolvi falar, ou melhor, escrever, contar, compartilhar. Afinal em tempos de web 2.0 o negócio é COMPARTILHAR. Certo?!


P.S:
#vouconfessarque vergonha se meus parentes verem esse post.
sim, fui corna e daí? Melhor ser corna assumida do que embutida! #prontofalei
Se algum dos envolvidos ficou ofendido com o que escrevi desculpa! #sólamento



sexta-feira, 9 de julho de 2010

Mera semelhança?

Pois então, conheci um twitter muito legal o Verdade Feminina @vfeminina. E este perfil tem um blog. Eu achei este post lá. Agora, mera semelhança com a autora deste blog aqui é bobagem tá? hahaha....

Mulheres Cafas




Elas são lindas. Elas são baladeiras. Elas são divertidas. Bem vindo ao mundo das Cafas girls!

Também chamadas injustamente de não-namoráveis elas fazem a noite acontecer e são a sensação de qualquer balada. Elas chegam vestida para matar com seus saltos agulha 15, maquiagem perfeita e perfume importado comprado no freeshop da última viagem. Geralmente ao redor de sua rodinha de amigasloiras tem uma rodinha de cafas homens oferecendo champagne. Não costumam beber cerveja mas em compensação entram na garrafa de vodka ou vinho. Os homens falam: “Ela é minha versão masculina”. Os cafas ficam com medo de se envolver, os fofos se apaixonam e são deixados de escanteio, os namoráveisnunca aparecem. Sabem muito bem quando são lanchinhos e quando são pratos principais. Usam sempre o discurso nenhum-homem-presta, não-existe-homem-fiel e quem-eu-quero-não-me-quer. Diversão mil, dramas mil, sinceridade mil!

Agora porque os homens consideram elas não-namoráveis? Pelo simples fato de eles serem uns idiotas preconceituosos do tempo das cavernas que acham que mulher só tem que lavar roupa e cuidar dos ranhentos filhos. E quer saber? Geralmente esse tipo de mulher se torna infinitamente melhor do que uma garota chata reprimida que só estuda, que não bebe, que não vive. Sabe o que acontece com essas? Elas se apaixonam por um cara qualquer (porque afinal, elas não tiveram muitas comparações e acham que ele é perfeito quando na verdade ele é a personificação do loser.), casam e… SE ARREPENDEM do tempo perdido, da vida não aproveitada de forma digna, das pessoas que ela deixou de conhecer. Elas se separam ou traem os maridinhos que acham que elas são puras e virginais, viram quarentonas recalcadas e começam a ser aquelas tiazonas bizarras que acham que tem 15 anos.Você só vive uma vez. Você só tem uma chance de ser feliz. Porque deixar escapar?

E aí, quem você quer? A pura ou a cafa? Se eu fosse homem não teria dúvidas. A mesma regra do homem cafajeste transfere-se pra mulher: Quando ela se apaixona é intenso, é real. É porque POR VOCÊ vale a pena deixar de lado essa vida tão maravilhosa. Que COM VOCÊ as coisas se tornam maravilhosas de outro jeito. Toda cafa quer se apaixonar, casar e ter filhos. Honestamente, elas não estão em “uma fase”: Elas simplesmente são assim mas estão completamente dispostas a ser fiéis, carinhosas, divertidas e companheiras. Basta ser amiga de uma cafa pra notar isso nitidamente: São sinceras, são diretas, são muuuuuito parcerias e amáveis. Tão sinceras que eu vou contar um segredo: As quietinhas e certinhas são muito mais rodadas saidinhas. Vai por mim. As cafajestes FALAM TANTO, que acabam falando mais do que realmente fazem.

Agora, por favor, não confundam mulheres cafas com vagabundas e/ou piriguetis. Longe de ser isso! As cafas se vestem melhor do que ninguém, tão por dentro de todas as tendências de moda, não usam legging branca nem salto de acrílico, são inteligentes, sabem ser sensual, sabem provocar e, principalmente, sabem a hora de parar.

Você aí, querido, dê uma chance pra aquela cafinha linda, querida, inteligente e super divertida que vive te dando mole. Pré conceito é last week. Faça merecer ser amado e respeitado que com certeza você terá!
Você aí, cafagirl, não deixe de ser quem você é. Não perca sua essência. Quem gostar de você, é por quem você é de verdade. Não adianta fazer tipinho, reprimir seus sentimentos e suas vontades incontroláveis pra conquistar alguém. Uma hora as máscaras caem, o carnaval acaba. Ninguém finge a vida inteira. Ninguém vive pela metade.

Beijocas da Cafinha,

VF

quinta-feira, 8 de julho de 2010

O que as mulheres precisam

Vou publicar aqui este post do blog TPM Feelings pois me identifico muitissímo com ele. Diz TUDO o que preciso e quero saber. Acredito que minhas leitoras também irão se identificar.


O que as mulheres precisam

Mulheres são inseguras. Taí uma mentira que parece tão verdadeira que soa até estranho questioná-la. Porque eu sei, e acredito que toda mulher saiba, como é aquela pontadinha no coração que dá nos momentos mais ridículos e inocentes, como quando ele olha para a bunda que passa desfilando ao lado ou quando cita o nome da ex como referência para quase tudo. Não é algo para se orgulhar, mas dói, sim, e nos mordemos com isso. Toda mulher. Daí varia se você for uma boa atriz ou uma péssima atriz para esconder esses pequenos arrepios de insegurança. Os homens vão dizer e podem repetir mil vezes que é bobagem, que é ciúme doentio e que não faz o menor sentido. Fica até parecendo que a gente é insegura porque gosta. Vamos combinar que se desse pra escolher eu preferia, de longe!, ser descolada, desapegada e 100% zen com tudo que passa a minha volta.

O babado é o seguinte: verdade que temos essa mania terrível (e muito chata para os homens, convenhamos) de achar pêlo em ovo. Portanto é hora de mudar um pouco esse discurso. Não é insegurança, vejam só: não me importa nem um pouco a bonitona que ele olhou da cabeça aos pés. Não ligo a mínima pra as histórias passadas terem marcado tanto a vida dele. Não me incomoda quem ele acha gostosa, quem ele já pegou, com quem ele vai sair no sábado à noite ou quem dá em cima dele durante o dia. O que eu preciso mesmo é saber - daquelas certezas que você não precisa checar em livros ou dicionários - eu só preciso saber que ele gosta tanto de mim quanto eu gosto dele. E que se ele tivesse que escolher - pelo menos por agora -, ele me escolheria ao invés de qualquer outra mulher no mundo.

Ficando isto claro, qualquer mulher ficará OK.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Página virada


Assim ó: tô de férias da faculdade, e detalhe (muito importante pra mim), sem nenhuma recuperação. Realmente aprendi a dar importância as minhas prioridades! Talvez para alguns isso, essa coisa de faculdade, seja "barbada", mas para quem teve um semestre bem conturbado é uma vitória.

Tá. Mas falo disso em outro POST.
O que importa no momento é que virei mais uma página!

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Desculpa

Hoje vou mandar uma carta lá pro céu. Sim, ele existe. É lá pra cima que as pessoas boas vão. Tornam-se estrelinhas. E toda noite vem nos mostrar que estão mais vivas do que pensamos!

Hoje minha carta é um pedido de desculpas para aquele que me deu a melhor coisa que poderia ter: a vida. Já te agradeci de montão, mas preciso de pedir desculpas para que o nó em minha garganta, e a água que enche meus olhos, possam se desfazer.

Desculpa por ter me equivocado, por ter tomado algumas atitudes erradas. Desculpa por ter priorizado certas coisas que não me deram nada. Aliás, até deram, é por causa destes meus erros que hoje compreendo como as coisas são.

Meu maior peso na consciência é não ter você na minha formatura. Juro que se eu pudesse voltar no tempo teria escutado o que você falava. Teria escutado o que toda a família falava.

Faltou maturidade, só agora estou adquirindo isso. Pois sobre o resto tenho as costas leves, tão leves quanto as asas dos anjos que sei que tu mandas pra me proteger. Sei que fiz tudo o que estava ao meu alcançe. Apenas errei e agora o erro é dor. A dor de saber que o dia que tu tanto sonhava não te terei lá para me dar aquele abraço!

Perdão pai. Perdão! A conquista que se aproxima será minha, mas a VITÓRIA é NOSSA!

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Camisinha africana

Já que não se fala em outra coisa a não ser Copa do Mundo, e ela está acontecendo na África, aí vai um vídeo que achei de uma propaganda de camisinha dos africanos. Como eu e minhas amigas costumamos dizer: é só carro! Sim, essa propaganda é literalmente um carro! Já mostrei pra algumas pessoas, e claro, ouvi: "bem a tua cara". (hahaha...)

P.S: Depois eu tento explicar o que significa "carro", gurias, me ajudem também a explicar!


segunda-feira, 21 de junho de 2010

Dizer que aprendi



Tenho medo e como boa pisciana sofro por antecipação. Dou um passo e já penso nos próximos dois que irei dar. Fico me cuidando, me guardando, insegurança pura e mais uma vez, o medo de sofrer.

Na semana que passou completaram-se 4 meses que perdi meu pai. Minha mãe numa atitude mais forte que eu tirou o "luto" do Orkut. Apesar de eu saber muito bem que dentro de nós o luto é eterno. Mas aonde quero chegar falando isso? Aí vaí uma historinha...

Passei a virada do ano no Rio de Janeiro e curti minhas mini-férias lá. Quando voltei anuncei pra minha família que depois da minha formatura aquele era meu destino (coisa que minha mãe sabia desde que eu tava na barrida dela). Arriscar e dar a cara a tapa longe de Porto Alegre.

Como sempre meu pai não me falou "nada". Na verdade ele sempre soube a hora certa de falar. Desde então começei a contar os dias para voltar para a capital carioca no carnaval. Seria meu aniversário e o presente de meu pai foram as passagens.

Infelizmente ele piorou muito na véspera da minha viagem e foi hospitalizado. Na quinta-feira anterior ao meu voo fui visitá-lo no hospital. Meu coração estava apertado e não sabia se ia ou ficava. Não tinha arrumado nada, malas, roupas, nada. Ele nem sabia disso e mesmo assim estava todo contente ao ponto de me dejesar boa viagem.

Na quinta-feira de manhã, como sempre, fui a primeira a entrar na emergência no horário de visita. Ao ver que não fui viajar meu pai chorou (quem o conhecia sabia que era um homem MUITO emotivo), disse que não tinha o direito de me privar das coisas. Contou as histórias que eu já sabia. Falou do que viveu na juventude. Estudou porque tinha ganhado bolsa dos Maristas e tudo era dividido entre os 12 irmãos. A verdade é que ele ficou bravo, não tinha admitido aquilo, não aceitou que eu tinha ficado em Porto Alegre.

Claro que eu fiquei com dois corações. Acabei ficando em Porto Alegre e pra variar me envolvi nas coisas da minha querida Imperatriz Dona Leopoldina. No dia da apuração do carnaval ele torceu comigo. Assim que saiu o resultado comentou: "não era pra tu ter ido".

Sim, não era pra eu ter ido. A Imperatriz desfilou como campeão no dia do meu aniversário, baita presente! Porém não era pra tu ter ido 3 dias antes do meu aniversário, pai.

Muitas pessoas me viram desfilar poucos dias depois da morte do meu pai. Mas poucas sabiam que isso era minha obrigação. Pois tenho certeza que se eu ficasse em casa ele ficaria muito bravo outra vez.

Você, raro leitor, talvez ainda não tenha entendido o que estou querendo falar. Sabe aquela música do Tim: "ah, se o mundo inteiro me pudesse ouvir, tenho muito pra contar, dizer que aprendi".

Aprendi a ouvir meu coração! Ele sempre dá as respostas corretas.
Já disse, não sou a Helena, mas aprendi a viver a vida!

Então, que isso sirva de resposta mais uma vez para a própria autora deste blog.

domingo, 13 de junho de 2010

Homem carpinejar: uma resposta a mulher perdigueira

Recebi este e-mail de uma queridissíma amiga, que literalmente me conhece desde criançinha!
Vou compartilhar com meus raros leitores do Blog, e no final dele vocês terão minha resposta/ comentário.

*

Gurias,


Mando este texto que achei M A R A V I L H O S O para todas as mulheres fundamentais na minha vida. Que dividem, já dividiram ou ainda vão dividir as fantásticas e terríveis coisas que os homens (sempre eles) nos fazem compartilhar.
Ainda que algumas de nós (né natália) não se assumam perdigueiras, impossível não se identificar com um mínimo detalhe.


Enfim, um texto para todas nós que sempre amamos demais!


beijos




QUERO UMA MULHER PERDIGUEIRA
Fabrício Carpinejar




Meus amigos reclamam quando suas namoradas o perseguem. Lamentam o barraco do ciúme, a insistência dos telefonemas para falarem praticamente nada, o cerceamento dos horários.
Sempre as mesmas tramas de tolhimento da liberdade, que todos concordam e soltam gargalhadas buscando um refúgio para respirar.
Eu me faço de surdo.
Fico com vontade de pedir emprestada a chave da prisão para passar o domingo. Acho o controle comovente. Invejável.
Não sou favorável à indiferença, à independência, ao casamento sartreano. Fui criado para fazer um puxadinho, agregar família, reunir dissidentes, explodir em verdades. Duas casas diferentes já é viagem, não me serve.
Aspiro ao casamento pirandelliano, um à procura permanente do outro. Sou um totalitário na paixão. Um tirano. Um ditador. Não me dê poder que escravizo. Não me dê espaço que cultivo. Não me eleja democraticamente que mudo a constituição e emendo os mandatos.
Quero uma mulher perdigueira, possessiva, que me ligue a cada quinze minutos para contar de uma ideia ou de uma nova invenção para salvar as finanças, quero uma mulher que ame meus amigos e odeie qualquer amiga que se aproxime. Que arda de ciúme imaginário para prevenir o que nem aconteceu. Que seja escandalosa na briga e me amaldiçoe se abandoná-la. Que faça trabalhos em terreiro para me assustar e me banhe de noite com o sal grosso de sua nudez. Que feche meu corpo quando sair de casa, que descosture meu corpo quando voltar. Que brigue pelo meu excesso de compromissos, que me fale barbaridades sob pressão e ternuras delicadíssimas ao despertar. Que peça desculpa depois do desespero e me beije chorando.
A mulher que ninguém quer, eu quero. Contraditória, incoerente, descabida. Que me envergonhe para respeitá-la. Que me reconheça para nos fortalecer.
A mulher que não sabe amar recuando e não tolera que eu ame atrasado. Que parcele em dez vezes seu dia, que não pague a conversa à vista na hora do jantar, que não junte suas notícias para contar de noite como um relatório. Admiro os bocados, as porções, as ninharias. Alegria pequena e preciosa de respirar rente ao seu nariz e definir com que roupa vou ao serviço.
O amor é uma comissão de inquérito, é abrir as contas, é grampear o telefone, é cheirar as camisas. É também o perdão, não conseguir dormir sem fazer as pazes.
O amor é cobrança, dor-de-cotovelo, não aceitar uma vida pela metade, não confundi-la com segurança. Exigir mais vontade quando ela se ofereceu inteira. Enlouquecê-la para pentear seus cabelos antes do vento. Enervá-la para que diga que não a entende. E entender menos e precisar mais.
Quem aspira ao conforto que se conserve solteiro. Eu me entrego para dependência. Não há nada mais agradável do que misturar os defeitos com as virtudes e perder as contas na partilha.
Não há nada mais valioso do que trabalhar integralmente para uma história. Não raciocinar outra coisa senão cortejá-la: avisá-la para espiar a lua cheia, recordar do varal quando começa a chover, decorar uma música para surpreendê-la, sublinhar uma frase para guardá-la.
Sou doido, mas doido varrido. Bem limpo. Aprendi a usar furadeira e agora entro fácil em parafuso. Quero uma mulher imatura, que possa adoecer e se recuperar do meu lado. Uma mulher que me provoque quando não estou a fim. Que dance em minhas costas para me reconciliar com o passado. Que me acalme quando estou no fim do filtro. Que me emagreça de ofensas.
Não me interessa um tempo comigo quando posso dividir a eternidade com alguém.
Quero uma mulher que esqueça o nome de seu pai e de sua mãe para nascer em meus olhos. Em todo momento. A toda hora. Incansavelmente. E que eu esteja apaixonado para nunca desmerecê-la, que esteja apaixonado para não diminuí-la aos amigos.

*

Querida amiga,

Eu me identifiquei com vários, praticamente todos detalhes! Hoje eu não me assumo uma perdigueira como tu bem sabe, e por isso abriu parênteses "(né natália)". Porém, já fui uma perdigueira! Sim, com um namorado que muitas conhecem, e não me importo nenhum pouco em dizer quem é: Jorge Igor. Explicitei o nome dele porque muitos de vocês sabem que comi o pão que o diabo amassou nesse relacionamento. Tá gente, não vou negar, até teve uns momentos bons. Mas na balança o lado negativo pesa mais que o positivo.

Meu objetivo aqui não é falar desse namoro que morreu e já está sepultado graças a Deus. Aliás, graças a este namoro eu aprendi a me valorizar, me cuidar mais, ou seja, aprendi a ter amor próprio! Este foi o grande aprendizado que o Jorge me deu (Obrigada! Se nunca agradeci, agradeço agora).

Voltando ao "perdiguismo"... Acho tudo isso muito lindo. Sério! Além de ser mulher sou de peixes, sou daquelas ciumentas, daquelas que se entregam, doida e romântica! Não sei se tive "azar" em ter sido perdigueira com o homem "errado", mas desta experiência o que posso dizer é que não vale a pena ser assim. Falo isso porque com o último namorado que tive (que não foi o já citado acima) o perdiguismo não aconteceu.

Talvez, tenho quase certeza, o "problema" todo está em achar/encontrar um "Homem carpinejar". Um "homem mesmo". Eu não encontrei. Também não estou a procura. Mas caso isso aconteça sei que basta se apaixonar para o perdiguismo começar!

E vamos amar, pois amar demais "nunca é demais"!

Beijos!

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Me voy

Sei que faz muito tempo que não passo por aqui. Tenho poucos, mas "raros", leitores. Quem conhece "O Teatro Mágico" sabe o que significa esse "raro".

Esses dias que fiquei longe aconteceram muitas coisas, boas e ruins. Um querido amigo perdeu o pai. E confesso que não queria que alguém sentisse tão cedo a dor que eu senti (e que ainda dói).

Algumas "máscaras" também caíram. Infelizmente algumas dentro da minha própria família. Porém, ah, porém, isso não é NADA pra mim! Pois "a vida me ensinou a caminhar, saber cair e depois me levantar" (como canta o MV Bill).

Enfim, várias coisas, mas acabo de chegar de Buenos Aires. Então vamos as coisas BUENAS!

Vários motivos me levaram a ligar o PHODA-SE e ir S.O.Z.I.N.H.A (sim, sem nenhum conhecido se quer) a esta viagem. Decidi ir na última hora. Quase matei minha mãe do coração. Meus verdadeiros amigos sabem os motivos. Desde o stress que já estava afetando minha saúde, desilusões (é, eu me deixei iludir), decepções e também o fato de que eu ainda não tinha "desopilado" desde que perdi meu pai.

Sabe, confesso que fui pra lá com o coração cheio de "esperança", mas acho que na verdade eu tava era cega. Tenho que aprender a me valorizar mais. Olhar pros lados e pra frente. Essa viagem fez eu abrir meus olhos (e meu coração também). O vento mudou...Ah, o vento!

Bueno, voltei feliz! Me sentindo mais leve (apesar de ter engordado mil quilos). Comi muitissímo bem, bebi muito também. Como tem uma galera querendo saber como foi a viagem, e os amigos que estão curiosos pra saber se consegui "relaxar" este post é pra eles. Nos próximos eu vou contar detalhes de lugares onde fui, só estou esperando as fotos do Ricardo.

Pra finalizar, deixo Julieta Venegas, com vocês "Me voy". Essa música traduz PERFEITAMENTE T.U.D.O!

domingo, 16 de maio de 2010

Feliz aniversário!

É bem difícil passar um dezesseis de maio sem aquela saborosa feijoada que só ele sabia fazer. Era sempre assim: Desciamos no Mercado Público compravámos tudo e ele mesmo preparava. Ficava daquele jeito delicioso. O povo (leia-se amigos e família) nem avisava, chegava direto aqui em casa pois sabiam que além da comida a cerveja estava gelada e a música (normalmente um samba) seria da boa.

Embora meu coração esteja muito apertado tenho a certeza de que seu último aniversário foi inesquecível. Até minha mãe fez um show! Ano passado ele já estava doente, nem poderia ter comido algo forte como o feijão, mas sempre teimoso não quebrou a tradição e fez sua festa de aniversário no melhor estilo "Betão".

É pai, tu não tem idéia de como hoje a saudade apertou demais. O que me conforta é saber que foste uma boa pessoa com todos nesta vida, e que hoje COM CERTEZA a feijoada é aí em cima, aí no CÉU!

PARABÉNS! TE AMO PRA SEMPRE!

Traduzo minha saudade com algumas fotos da última Feijoada do Betão:

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Vou seguir o meu valor, vou seguir o meu calor...



Eu,não vou me acostumar
Eu deixo que eles falem pois eu sei o meu lugar

Não,não vou me distrair
Tenho as minhas vontades e por isso vou seguir
Vou seguir o meu valor,vou seguir o meu calor
O que eu falo,o que penso não peço por favor
Vou seguir o meu pensar,vou seguir quem eu quiser
amar
Não tenho como fugir
Não tenho como fingir

Não,não vem me pertubar
Eu falo cara a cara custe o que me custar
Sim, eu vou me permitir
A vida corre tanto e por isso vou seguir

Vou seguir o meu valor, vou seguir o meu calor
O que eu falo,o que penso não peço por favor
Vou seguir o meu pensar,vou seguir quem eu quiser
amar
Não tenho como fugir
Não tenho como fingir

Mas também sei ser fácil quando eu quero
se tenho um porque
Mas também sei tirar você do sério
Sou Preta!

Meu Valor, de Preta Gil, me identifico MUITISSÍMO, certo? VOU SEGUIR O MEU VALOR! VOU SEGUIR O MEU CALOR!

domingo, 2 de maio de 2010

Meia noite no meu quarto...

Meu final de semana foi assim: sem comentários. Não quero comentar porque não tenho palavras, faz tempo que não me sinto assim "bem", e também porque não quero "alertar os gansos", sendo bem sincera não quero abrir os olhos gordos do povo. De gordinha já basta eu né gente? (QUE MOMENTO! HAHAHA)

Entonces, cá estou eu, num momento "meia noite no meu quarto", estudando e me embalando (como sempre)... Resolvi compartilhar com os poucos e amados leitores do meu blog algumas músicas do playlist! #adoro

Paixão - Kleiton e Kledir

Enconstar na tua - Ana Carolina

Quem de nos dois - Ana Carolina

Não me deixe de só - Vanessa da Mata

Baby - Gal Costa

terça-feira, 27 de abril de 2010

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Sonhos Roubados

Quero muito ver este filme! Estréia hoje, não sei se em Porto Alegre. Mas lembro que quando fui pro Rio em agosto tava rolando o Cine Rio e ele foi muito bem visto pela crítica, pois mostra a realidade do morro de outra forma, sem armas, sem focar nos homens. Fala da história de meninas, jovens mulheres, cheias de sonhos.

O longa "Sonhos Roubados" é baseado no livro "As Meninas da Esquina", de Eliane Trindade. No elenco tem MV BILL (MORRI), Marieta Severo, Daniel Dantas e Nelson Xavier. Saiba mais sobre ele http://migre.me/z0Ih

"Mesmo quando os sonhos se perdem é possível encontrar um futuro"


Sonhos roubados - Trailer oficial from Thiago Lacaz on Vimeo.

Cavaleiro da flor

Eu não sou filha de Ogum, porque é meio ÓBVIO que sou filha de Mãe Yemanjá. Mas meu pai era. E acredito que todo brasileiro é um pouco filho de Ogum, ou São Jorge, como diz a Igreja Católica, pois todos somos guerreiros!

Nesta sexta-feira, ou melhor, ZECA-FEIRA, vai faltar o gosto da MELHOR feijoada do mundo, que era feita por aquele que entendia MUITO de cerveja. (Dá licença né, trabalhar QUINZE ANOS na BRAHMA não é pra qualquer um).

O fato é que agora além de Ogum tenho meu pai pra me proteger! Então....SAÍ DA FRENTE!

"A mente criadora é um dom maior
Naqueles que são revolucionários
Tem fé que Jorge é de ajudar
A todo brasileiro, brasileiro guerreiro"


quinta-feira, 22 de abril de 2010

Ser mãe

Eu tenho um medo imenso de um dia me tornar mãe. O medo vai desde as dores do parto até a responsabilidade de colocar uma vida no mundo. Mas quando vi este comercial de Dia das Mães das Lojas Renner meu coração veio na boca! Qual menina que nunca se quer foi mãe ou quis ser nem que fosse de suas bonecas?

Veja e entenda... LINDO!!!

sábado, 17 de abril de 2010

Diz tudo

Talvez perca o emprego
Talvez a sua resposta seja não
Quero dar um jeito
De conseguir pagar a prestação
De passear na grama do parcão
De respirar deitar ao sol que brilha

Deixo o sol bater na cara
Esqueço tudo que me faz mal
Deixo o sol bater no rosto
Que aí o desgosto se vai


quinta-feira, 15 de abril de 2010

Para alegrar

Presentinho na manhã desta quinta-feira:

menina linda,

natalia vitória
de ser seu amigo
obtive a glória
tens um belo sorriso
que exala felicidade
a quem está aqui aqui no rio
morrendo de saudades !


Ai Viniiii! Só tu mesmo! Saudades imensas!

terça-feira, 13 de abril de 2010

Doida sim

Algumas pessoas disseram que devo ler este livro, que ele é minha cara, ou que quando leram determinadas crônicas lembraram de mim... Enfim, passei os olhos rapidamente nele, por enquanto gostei, se alguém quiser me dar, ADORARIA ganhar!

"Nossa insanidade tem nome: chama-se Vontade de Viver até a Última Gota. Só as cansadas é que se recusam a levantar da cadeira para ver quem está chamando lá fora. E santa, fica combinado, não existe. Uma mulher que só reze, que tenha desistido dos prazeres da inquietude, que não deseje mais nada? Você vai concordar comigo: só sendo louca de pedra. "


Martha Medeiros, em Doidas e Santas.

Quem diria que chegaríamos lá?

Sabe de uma coisa, ODEIO quando ouço várias pessoas debocharem do Carnaval de Porto Alegre. Tem um colega que diz que seria a mesma coisa que os cariocas fazendo o desfile de 20 de setembro. Infelizmente tem gente que não dá nem pra debater tais assuntos.

Porém, na minha opinião, o carnaval é uma festa popular BRASILEIRA. É do nosso país! É das mulatas e do samba. É do frevo, da micareta!

Em Porto Alegre tem carnaval sim! Um carnaval tão mobilizador de comunidades quanto o carnaval carioca. Com suas particularidades, com características que não tem no desfile do Rio de Janeiro. É um carnaval com A CARA dos gaúchos. E o de Uruguaiana então nem vou falar, pois é referência em diversos aspectos.

Fiquei bem feliz em saber que o Carnaval também anda valorizando a comunicação e criando espaços para discutir, debater, opinar. Eu ainda não li a Revista do Carnaval. Mas que ela tá bonita, está! Afinal, quem diria que chegaríamos lá?

domingo, 11 de abril de 2010

CONSEGUI !!!

Eu falei aqui no blog exatamente um mês antes do show. Escrevi no dia 11 de março isto:


ELE VEM AÍ!!!!!!!!!!!!!!!!!! DIOGO NOGUEIRA!!!!!!!!!

Eu vou(clarooooooooooo), e vou ficar na fila após o show até ele me atender!!!! META: Autografar a foto que tiramos no Rio de Janeiro, bater muitas outras e dizer o quanto seu trabalho faz eu esquecer das tristezas da vida!!!


-

DUVIDARAM?

Já tinham me dito que o ano de nosso orixá é sempre um ano de muitos "testes". Falando sério: Estou sendo bastante desafiada. Em todos aspectos: profissionais, estudantis, familiares e amoroso. Mas NUNCA duvide de uma psciana! Podemos não chegar lá, mas TENTAREMOS até O FIM!

Neste caso EU CONSEGUI! Sim! Eu fui no show e depois fui no camarim do Diogo Nogueira!

Antes de mais nada tô super feliz pois consegui tirar minha mãe e minha dinda de casa. Levei elas no show. E percebi que adoraram. Pois elas amam samba (sim né, é de família esse amor). E o Diogo tocou só samba dos bons. Desde músicas dele, de seu pai, Dona Ivone Lara (minha ídola), Portela e Mangueira!

Sobre o show?

Além de tudo isto que disse a banda é fantástica. Mas o bacana deste show, por ter sido no Teatro do Sesi, foi o fato deles poderem ter usado todos os cenários. Na apresentação dele no bar Opinião não teve como mudar o fundo do palco.

No meio do show, que começa com uma foto sua em alguma praia do RIO DE JANEIRO, ele troca o cenário por imagens da LAPA (morri nesta hora). E pra matar qualquer mulher do coração o bonito troca de figurino no palco. Fica atrás de um biombo que reluz sua sombra. Sai de lá com outro figurino. Tira aquele terno branco tudo de bom por uma roupa de malandro carioca (morri de novo).

Nesta hora ele conversa com o público e convida todos para irem "passear na Lapa". Porém, a maluca aqui, dá um grito no meio do teatro (que estava um pouco silencioso) e diz: "Vamos pra cidade baixa!". Todo mundo cai na risada! E enquando todas gritavam: "Lindo" e "Casa comigo?", a minha mãe gritava "Meu genro". Mais risadas ainda!!!

Participante da próxima edição da Dança dos Famosos do Faustão (sim, vou ter que ver esse programa agora!) o Diogo Nogueira mostrou que tem samba no pé. Dançou gafieira com sua bailarina. Aliás, os bailarinos ótimos são da Cia de Dança do Carlinhos de Jesus (só podia né gente, o Carlinho é phoda)!

Estava tão nervosa que todas minhas fotos estão tremidas. Assim que tiver as fotos da câmera de minha amiga eu coloco aqui. Incluindo a minha com ele! A ansiedade fez com que eu esquecesse de pedir para autografar meu dvd e a foto que estavam dentro da minha bolsa. Esqueci também de falar que assisto toda terça-feira o "Samba na Gamboa", programa que ele apresenta na TV Brasil. Eu até ia deixar meu currículo pra ser produtora (maluca!).

Pra finalizar, quero avisar a todos que vou matar o presidente Maurício que almoça com o Diogo Nogueira e não me chama! (brincadeira!) Embora ele não tenha conseguido ir ao show a gente conseguiu falar com o Diogo pois ele aceitou receber o pessoal da Imperatriz Dona Leolpodina. (te mete!! hahahaha)

P.S: A BRUXA QUE ME LEVOU NO CAMARIM É MÃE DE UMA PRINCESA! (mazá! toma Lú! hehehe)

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Respondendo...

Gente, nunca imaginei que um post no meu blog fosse interferir tanto em algumas coisas. Eu sou sincera com meus VERDADEIROS amigos e amigas. Só pra quem realmente MEREÇE eu falo o que sinto e o que penso!

Depois do meu último post "Carta a uma mulher sozinha" várias (várias mesmo) amigas que AMO e considero vieram falar comigo, por msn, depoimento e até telefonema de algumas que nem esperava eu recebi. Estas que me mandaram alguma coisa sabem quem são.

Gurias isto NÃO É PRA VOCÊS! A maioria perguntou se eu quis dar alguma indireta. Não gurias! Pra vocês que são minhas amigas de VERDADE eu falo TUDO. Até porque pelo fato de sermos amigas sei da vida particular de cada uma! Não é nada pra ninguém!! Pelo amor de Deus, vocês gurias são muito importantes pra mim, estão ao meu lado pro que der e vier. Reconheço muito isto!

Tudo isto começou porque estou passando por um momento muito delicado. Não uso a perda do meu pai como "desculpa". Mas o fato é que eu estou aprendendo a ser SOZINHA num todo. Em todos sentidos, em todos os aspectos. Bem na boa, não tem nada haver com ser solteira, estar sem ninguém, etc. Infelizmente eu olho pro lado e não vejo ninguém. Não quero que ninguém me compreenda. Ninguém tem a obrigação de me entender. Eu só to falando que eu tenho (estou) com medo. Não sei se medo é a palavra certa. Só quero viver até o último segundo. Não quero deixar a vida lá fora passar. Muitas vezes fiz isto. E estou aprendendo que tenho que arriscar, tenho que viver... Como diz a música do Frejat: "Viver é deixar viver".

Bueno, foi um desabafo. Porque amo muito meus amigos! Mas vou sim escrever a carta para as mulheres sozinhas!

Hasta!

Carta a uma mulher sozinha

Estes dias publiquei aqui a "Carta a uma mulher carente", extraído do blog da Mariana Bertolucci. Ontem, depois de curtir uma noite maravilhosa SOZINHA, pensei em escrever a "Carta a uma mulher sozinha".

Sim... Porque sozinha não significa carente. Sozinha não significa abandonada. Tá, prometo que vou começar a colocar no papel tudo o que pensei. Simplesmente pelo fato que defendo que as mulheres sejam mais INDEPENDENTES.

É fofa, mais cedo ou mais tarde você tem que aprender a ser sozinha, e vai ter que aprender a ser feliz assim! Chega de ficar reclamando que não tem companhia pra fazer as coisas. Amigas namorando, casadas, dependentes do macho? Não julge! Sabe o ditado né? A língua paga!

Não deixe a vida passar lá fora enquando você fica aí dentro de casa, com seu pijama velho, comendo sorvete. Ok, eu também, todas temos, nossos dias Bridget Jones! Mas às vezes é bom ligar o tal botão chamado "foda-se"!

Então bonita, se você for frigideira como eu o negócio é esquentar a chapa! Em breve publico a carta completa...

*Se pra toda panela existe uma tampa, sou frigideira!

-

Bueno, ontem fui ao show da Mart'nália sozinha (porque eu falo mas também tô tentando fazer!). E vou deixar trecho de duas músicas dela em que me identifico muito!

Antes de mais nada, dizem que lá no céu tem banda larga...hahaha... Então como sei que meu pai vai continuar lendo meu blog, gostaria de agradecer a você por ter me criado no meio das rodas de samba. Por brincar comigo imitando o barulho da cuíca com a boca! (Ah, essa não tem quem não lembre, só ele sabia fazer!!!). Pai, obrigada por ter me ensinado a gostar de boa música! Minha maior herança são teus discos, cds, dvs!


"Eu canto samba porque, só assim
Eu me sinto contente
Quem é do mar não enjoa
Amor não é brinquedo...
Foram me chamar
Eu estou aqui o que que há...
Mas foi lá em casa que eu descobri
esse segredo"

Trecho de "Prá Mart'nália"

"Tava por aí
Olhando, sentindo, te amando e andando
Gozando sempre
Tava mesmo por aí
Dançando, bebendo, correndo, saindo e ficando
Tomando chuva

Mas tudo bem, cê tava por aí também
Mas, tudo bem, eu tava por aí também

E foi assim que eu te encontrei
Bonita, peituda, cheirosa, pedante, teimosa
Fazendo finta
De vez em quando você vem
Chegando, bulindo, aplaudindo, somando e assumindo
Pintando a sete

Mas tudo bem,cê tava por aí também…

Sou Zé Malandro, sou de rua
e bem que eu gosto
São Jorge é quem manda na lua
me disse que eu tudo posso
A vida continua nua e crua
e muito boa
O vento é o leque da pessoa
que andava a toa

Mas tudo bem, cê tava por aí também…"

Trecho de "Tava por aí"